ATUALIDADE

DOUTRINA ESPíRITA

EVANGELHO

INTERCâMBIO

LIVROS

NOS BASTIDORES DE ALéM-VIDA

POESIA

RELIGIãO


EDIÇÃO ATUAL

EDIÇÕES ANTERIORES

COLABORE

FALE CONOSCO

BLOG


Cuidar do corpo e do Espírito

POR MOACYR MENEZES

Somos o que somos, tanto aqui como lá, tanto lá como aqui. A mudança de um plano para outro, quando acontece do plano físico para o espiritual, surpreende-nos... Descobrimos nossa individualidade. Em qualquer estágio da vida, seja do lado de lá, como do lado de cá, somos Espíritos imortais no caminho da nossa evolução.

Cada um tem a sua história. Você tem a sua, eu a minha. O nosso irmão Moacyr, como alerta, retorna pelo canal da mediunidade, contando-nos a sua. Eis sua história: “Amigos em Jesus, peço-lhes a caridade de poder grafar aqui algumas linhas para narrar-lhes um pouco da sofrida experiência por que passei”.

Há tempos estive neste círculo de oração trazido que fui por benfeitores espirituais para que sofresse a internação necessária depois do impensado ato a que, imprevidente, me permiti.

Fui militar graduado e sempre gozei de excelente condição física.

Gozava de uma jovialidade de causar inveja, até às pessoas mais jovens, um atleta na verdadeira acepção da palavra e não escondia a vaidade de exibir o meu avantajado porte físico conquistado com muito esforço e disciplina.

Tão logo fui para a vida da caserna não logrei em cultivar o físico até o meu dia de ir para a reserva depois de mais de trinta anos de vida na caserna.

Na condição de reformado não descuidei um só instante de manter a forma e me fiz atleta sênior com muita premiação.

Mas o que é a vida física perto de nossos compromissos em vidas transatas?!

De repente, sem contar ainda sessenta janeiros, eis que um câncer implacável surge de inopino em meio às minhas conquistas no campo do esporte. Fiquei tão inconformado que cheguei a pensar que Deus havia sido injusto com uma pessoa que passou a vida toda se consagrando à saúde através do esporte e da disciplina.

Uma enorme depressão abateu-se sobre mim que, não me conformando com aquela situação e não tendo me preocupado com as questões de fé e de continuidade da vida além das fronteiras físicas, resolvi por fim aos sofrimentos, como se isso fosse possível!

Ledo engano, amigos. Felizes os que se preparam para o regresso para a estação da vida imperecível.

Cultuei o corpo, mas fui negligente com a saúde do espírito.

Desferi contra o crânio um projétil que me antecipou para uma via crucis sem precedentes.

O suicídio é terrível para aqueles que o cometem. Senti todas as dores e reflexos do ato impensado e, mesmo tendo posto fim à vida física sentia as dores do corpo com todas as minúcias de um sofrimento inenarrável.

Minha cabeça sangrava de modo a nunca estancar e no corpo sentia as agulhadas de vermes vorazes que o devoravam mesmo sob meus apelos.

Criaturas animalizadas sugavam os meus últimos fluidos até que fui levado por levado por mãos doentias a uma estação abissal de sofrimentos indescritíveis onde os gritos estertores se faziam ouvir qual no inferno de Dante.

Perdi a consciência por tempo indeterminado.

Subjugado pela própria inconsciência não mais me lembrava uma criatura humana. Até que uma mão amiga foi ao meu encontro qual bálsamo divino, criaturas angelicais tiraram-me daquele “inferno” a que me submetera pelo ato infeliz e, lembro-me, trouxeram-me para este recanto de oração, onde havia várias outras entidades espirituais.

Reconheci ao lado de benfeitores espirituais a figura de minha mãezinha que me sustentava no colo afagando a testa desfigurada do filhinho que não soube ter fé.

Ah, meus irmãos, não queiram saber a felicidade que tomou conta de meu coração! Por vezes via a figura da mãe celeste de Jesus no rosto de minha mãe que se mesclavam em luzes de indizível expressão.

Exânime e desfigurado fui levado a uma instituição hospitalar numa estação espiritual de tratamento para suicidas. Lá fui amparado por médicos do espaço que ainda hoje me auxiliam na recuperação.

Ainda sofria as conseqüências do ato infeliz que, vez por outra me vem à lembrança, mas, graças a Deus, vou encontrando forças para superar dia-a-dia o sofrimento.

Não quero absolutamente dizer que o esporte é vital e saudável, mas é necessário além da saúde do corpo, preocuparmo-nos com a saúde do Espírito, tão relegado quando aí estamos na experiência física.

Dizem-nos os médicos espirituais que o Evangelho é um manancial de saúde e profilaxia para o Espírito e que não há no mundo melhor cartilha para a saúde espiritual que, invariavelmente reflete-se sobre o corpo que está sujeito ao primeiro.

Brevemente voltarei à escola terrena em breve experiência para aliviar minha alma enferma, visto que comprometi sérios campos do corpo espiritual.

Em um corpo com limitação encontrará minha alma o repouso necessário e reconquista espirituais.

Muita paz!”

Moacyr Menezes (espírito)
Mensagem psicografada por J. G. Argel-“Casa de Eurípedes”, Taubaté-SP em 18/09/05.